Blog da Arivo

Sua liderança molda a cultura de sua empresa (e não o fliperama na sala de recreação)

Comentários

"Pinball"

A cultura de sua empresa não são as camisetas qe ela distribui ou a máquina de fliperama na sala de recreação. Não são os aniversários dos funcionários comemorados com bolo ou as ações educacionais promovidas pelo seu RH. Não é a missão da empresa que você mandou imprimir na parede.

A cultura de sua empresa é moldada quando você toma decisões.

Essas decisões normalmente não foram tomadas porque você estava pensando em afetar a cultura. Elas apenas mostram para o resto de sua equipe quais são as prioridades nas suas decisões de negócio. Nessas horas os outros descobrem, aos poucos, qual é a verdadeira missão da empresa de acordo com você.

E elas vão tentar replicar essas diretrizes. E isso vai afetar seu time, sua marca, seus clientes. Isso é cultura.

Muitos desses momentos decisivos são comuns em empresas de todos as áreas e mercados.

Quem você contrata?: você pode não ter percebido, mas na hora de contratar pode estar dando muita prioridade a amigos pessoais, ou a mulheres bonitas, ou homens mais velhos ou só pessoas que estudaram nas melhores faculdades. As pessoas que você contrata não são apenas novos ingredientes que estão trazendo seus próprios valores para sua equipe. A decisão de ter escolhido essas pessoas mostra para o resto de sua equipe o que você valoriza.

Quem você demite?: se você precisa demitir algumas pessoas e escolhe as que tem mais tempo de empresa, você mostra que não valoriza lealdade. Se poderia demitir um amigo mas decide demitir um funcionário com performance melhor que ele, você alimenta a politicagem e o puxa-saquismo. Se você demite sem muito critério, você cria instabilidade.

Você ouve sua equipe?: se você dá abertura para membros de sua equipe opinarem, participarem das decisões e verem algumas de suas ideias criando vida, você dá mais valor à pessoas participativas com iniciativa. Se você toma todas as decisões e só quer vê-las executadas você vai acabar rodeado de pessoas que só fazem o que você pede que seja feito.

Como você lida com responsabilidade?: se quando alguém comete um erro você promove uma caça às bruxas, sua equipe vai parar de se arriscar e prioriza proteger seus próprios rabos.

Quem você promove ou premia?: se uma equipe faz um bom trabalho e você só premia o líder, você afasta membros promissores de sua equipe que vão procurar outras oportunidades. O nível de performance e perfil que você premia e promove deixa claro para os outros que merece um prêmio mostra para a equipe o que você valoriza de verdade.

Quais comportamentos você não reprime?: se seu gerente faz comentários indelicados sobre os decotes de suas atendentes e você não diz nada, isso só dá espaço para que esse tipo de comportamento piore. Se você sabe que o líder de uma equipe precisa humilhar seus subrdinados em uma tentativa de melhorar suas performances e você não faz nada, isso vai virar uma prática comum.

Qual o limite aceitável de qualidade?: se você sempre escolhe a matéria prima mais barata, reclama quando sua equipe não entrega logo um serviço, você mostra que qualidade não é muito importante para você. É esse termômetro que sua equipe vai usar para saber se deveria fazer um trabalho menor ou entregar qualquer coisa.

Como você lida com transparência?: quando ocorre um problema você faz questão de deixar claro para os envolvidos o que aconteceu ou omite e enrola para não sujar a reputação perfeita de sua empresa, mesmo sabendo que os envolvidos sabem que algo está errado? A forma como você lida com isso vai definir se sua equipe vai varrer a sujeira para baixo do tapete ou tentar fazer um bom trabalho.

Que tipo de ferramenta você adota?: se na hora de escolher ferramentas, softwares e serviços para atender sua empresa você sempre escolhe a marca mais conhecida, mesmo que seja mais cara e complicada, é esse tipo de solução que sua equipe vai procurar quando precisar. E as prioridades que existem na ferramenta serão entendidas como as prioridades que você espera no trabalho. O Arivo CRM, por exemplo, foi feito para quem procura uma solução simples, fácil de usar e de baixo custo, e que permita que a equipe possa focar em seu trabalho ao invés de gastar seu tempo com a ferramenta.

No calor do momento, na correria do dia a dia, você pode tomar essas decisões sem pensar muito, levando em consideração apenas o curto prazo, os fatores que se apresentam à sua frente. Depois de um tempo quando você se der conta que não gosta mais de trabalhar em sua empresa, vai ser tarde demais. Você alimentou essa cultura.

Pense no tipo de cultura que você quer moldar e o que você poderia fazer nesses momentos de decisão para reforçar essa direção. Pense no tipo de pessoas que você quer ter por perto nos momentos difíceis, de não poder dormir para atender um cliente importante ou a empresa pode quebrar. Pense que tipo de valores cria a empresa que te deixaria energizado na hora de acordar para ir trabalhar.

Foto: ilovememphis

Comentários